sexta-feira, 15 de setembro de 2017

JOGRAL EVANGELÍSTICO - AS QUATRO LEIS ESPIRITUAIS


JOGRAL EVANGELÍSTICO - AS QUATRO LEIS ESPIRITUAIS EM JOGRAL

1- Hoje temos uma boa notícia pra você.
T- Deus o ama e tem um plano maravilhoso para a sua vida.
2- Esse plano está registrado na Bíblia, no livro de João capítulo três,
versículo dezesseis:
3- “Porque Deus amou o mundo de tal maneira,
4- que deu o seu filho unigênito,
T- Para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a
vida eterna”...
1- Jesus é o instrumento de Deus para nos trazer uma vida de paz e
alegria...
2- Sim! Uma vida com sabor, gostosa, completa...
3- mas as pessoas não estão acessando essa vida que a Bíblia fala.
4- Não estão acessando porque, lá no passado, o ser humano
interrompeu o seu relacionamento com Deus.
1- Se rebelou contra Deus, pecou, e resolveu viver sem Deus,
fazendo o seu próprio caminho.
T- “Todos pecaram e carecem da glória de Deus e o salário do pecado
é a morte” (Rm. 3:23 e 6:23)
2- O ser humano está em pecado e com isso cavou um grande
abismo que o separa de Deus...
3- Deus é Santo.
4- O ser humano é pecador.
T- E nenhum esforço humano poderá aproximá-lo de Deus...
1- Mas e se eu for uma pessoa boa que leva uma vida reta, limpa,
2- Tiver uma religião, fizer boas obras, nem assim me aproximarei de
Deus...
3- Nem assim você atravessará o abismo que o pecado abriu entre
você e Deus.
T- Porque “Todos pecaram e carecem da Glória de Deus”.
4- O ser humano sempre acaba vencido pela fraqueza da carne e a
força do pecado.
1- Por isso só Jesus Cristo, o filho de Deus, é a solução para o
problema do pecado que nos separa de Deus.
2-Ele deixou o céu,
3- Nasceu em forma de homem,
4- e, por amor, habitou entre nós...
T- E assim “Deus prova o seu próprio amor para conosco, pelo fato
de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores”.(Rm.5:8).
1- Então Cristo foi morto por conta dos nossos pecados?
2- Sim! Ele morreu em nosso lugar, pagou junto ao pai, as nossas
culpas.
3-Cristo foi crucificado, morto e sepultado, mas ao terceiro dia
ressuscitou e apareceu aos seus discípulos. (I Cor. 15:3-6)
1- Por isso Ele podia dizer a todos nós:
T- “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao pai, a não
ser por mim”. (João 14:6)
1- Cristo, ao morrer em nosso lugar atravessou o abismo, abriu o
caminho para a nossa comunhão com Deus.
2- Então agora toda a pessoa que quiser já pode ter aquela vida
alegre, gostosa, completa, prometida por Deus?
3- Sim, basta crer e receber a Jesus Cristo como Senhor e
salvador da sua vida.
4-E você deixará de ser só uma criatura de Deus perdida, sem
salvação para ser uma pessoa salva por Jesus.
T- E a Bíblia diz mais: “Aos que o receberam, e aos que creram em
seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus”(Jo.1:12)
1-         A partir do momento que você recebe a Jesus como seu salvador.
2- A vida reta, de boa moral e rica em boas obras...
3- Acontecerá no seu dia-a-dia, por amor,
4- Como fruto da salvação em Cristo Jesus...
T- Como é linda a vida que Jesus lhe oferece!
1- O que eu preciso fazer para receber Jesus no meu coração?
2- Eu também quero recebê-Lo como meu salvador...
3- A pessoa recebe a Jesus por meio do arrependimento e de uma
oração pedindo, a Deus, perdão dos pecados.
4- Então vamos fazer todos juntos essa oração...
1- Vamos ficar todos em pé. E que esta oração seja a sua oração
neste momento!
Todos: “Deus pai, estou arrependido dos meus pecados e precisando do teu perdão. Agora, abro a porta da minha vida e recebo Jesus Cristo como meu Senhor e salvador.
2- Obrigado Pai, por Jesus ter morrido na cruz para o perdão dos meus pecados...
3- Obrigado por me aceitar como eu sou, indiferente pecador...
4- Obrigado por me dar vida agora e vida eterna.
T- Pai, tome conta da minha vida, ela anda feia, me ajude a mudar o que precisa ser mudado e faze de mim uma pessoa conforme o desejo do teu coração. Em nome de Jesus, amém!


Rev. Valdomiro Pires de Oliveira

Leia mais jograis e poesias no site do pastor Valdomiro: 


quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Textos de Lutero: Ele é como a árvore



Leia em sua Bíblia: Salmo 1
Ele é como a árvore que no devido tempo dá o seu fruto”. (v. 3)

Que jóia de palavra amável! Com ela, confirma-se a liberdade da justiça cristã. Os ateus supersticiosos têm seus dias certos, suas épocas determinadas, as obras ordenadas e lugares escolhidos aos quais estão escravizados de tal forma que não se deixam separar deles, ainda que seu próximo morra de fome. Esse homem bem-aventurado do salmo, porém, é livre e disposto a toda hora, a toda obra, em toda parte, para com qualquer pessoa; sem qualquer situação que apareça, ele serve, e o que lhe aparecer, ele o faz. Mas é nada especial e nem quer sê-lo. Traz o seu fruto a seu tempo, ambos os frutos – em relação a Deus, sempre que o momento o exige, e em relação aos homens, sempre que necessitem de seu serviço e esforço. Por essa razão, também seu fruto não tem nome, nem ele próprio tem nome; igualmente, suas correntes de água não têm nome; e assim não serve a uma só pessoa, apenas em determinada época, nem em lugar especial, nem com uma só obra, mas serve a todos, em toda parte e em todas as coisas, e é, de fato, um homem disposto a toda hora para todo e qualquer serviço a toda e qualquer pessoa, quando, para que e como se necessita dele e, segundo a imagem de Deus, ele é tudo e sobre todas as coisas.


sábado, 26 de agosto de 2017

O "eu" e a Cruz - Diversos autores refletem sobre o tema


O «eu» e a Cruz
Diversos autores da história da Igreja têm escrito sobre as características
e o lugar que corresponde ao «eu» na vida cristã. Eis aqui alguns textos escolhidos
.


O ídolo maligno
Oh! que dor e que morte é para a minha natureza, transformar-me, a mim mesmo – a minha concupiscência, o meu bem-estar, a minha reputação– até o «meu Senhor, meu Salvador, meu Rei e meu Deus», até a vontade do meu Senhor, a graça do meu Senhor!
Mas, ai de mim! Esse ídolo, essa indômita criatura, EU MESMO sou o ídolo-mestre, diante do qual todos nos inclinamos. O que impulsionou Eva a apressar-se impetuosamente para comer o fruto proibido, senão aquela horrível coisa que é o seu EU? O que levou aquele irmão assassino a matar Abel senão o seu indomável EU? Quem induziu aquele velho mundo a corromper os seus caminhos? Quem, senão ELES MESMOS e os seus próprios prazeres? Qual foi a causa para Salomão cair na idolatria e na multiplicação de esposas estranhas? Qual foi a causa senão o seu EU, a quem ele preferia agradar em vez de a Deus? Qual foi o anzol que agarrou Davi e o forçou ao adultério, senão o seu DESEJO PRÓPRIO? E depois no assassinato, a não ser a sua PRÓPRIA REPUTAÇÃO e a sua PRÓPRIA HONRA? O que levou Pedro a negar o seu Senhor? Não foi uma parte do seu EU e do seu AMOR PRÓPRIO por autopreservação? O que fez a Judas vender o seu Mestre por trinta moedas de prata, a não ser a idolatria do avarento EU? O que fez Demas sair do caminho do Evangelho para abraçar este mundo? Outra vez o AMOR PRÓPRIO e um amor pelo PRÓPRIO LUCRO.
Todos os homens acusam ao maligno pelos seus pecados, mas o grande maligno, o mal interno de todo homem, o mal interno que reside no seio de todo homem é aquele ídolo que tudo mata, o EU! Bem-aventurados são aqueles que podem negar-se a si mesmos, e pôr a Cristo em lugar do EU! Oh! que doce frase: «Já não vivo eu, mas Cristo vive em mim»!
Samuel Rutherford, teólogo presbiteriano escocês (1600-1661)

O que é estar interiormente crucificado?
O que é estar interiormente crucificado? É não ter nenhum desejo, nenhum propósito, nenhuma meta, senão aquela que vem por inspiração divina, ou recebe aprovação divina. Ser crucificado interiormente é cessar de amar a Mamón, para poder amar a Deus; é não ter nenhum olho nos aplausos do mundo, nenhuma língua para as conversações ambiciosas e inúteis, nenhum medo da oposição do mundo. Ser crucificado interiormente é ser, entre as coisas deste mundo «um estrangeiro e peregrino»; separado do que é mau, em comunhão com o que é bom, mas nunca de maneira idólatra; vendo a Deus em todas as coisas e todas as coisas em Deus. Ser crucificado interiormente é, na linguagem de Tauler, «cessar completamente a vida do eu, abandonar igualmente o que vemos e o que possuímos –o nosso poder, o nosso conhecimento e os nossos afetos– para que assim, a alma, com respeito a qualquer ação originada em si mesmo, seja sem vida, sem ação, sem poder, e receba a vida, a ação e o poder somente de Deus».
Thomas C. Upham, teólogo do movimento de santidade americana (1799-1872).

O reconhecimento de um fato
Deus nada espera do eu, mas que ele seja crucificado, o que judicialmente já aconteceu. Como cristãos, nós não somos chamados a morrer para o pecado; mas a reconhecer o fato de que já morremos para o pecado na morte daquele que, na cruz do Calvário, pôs fim à antiga criação, para que no poder de sua ressurreição ele pudesse trazer a nova.  O nosso velho homem foi crucificado com Cristo, e em vista desse fato, reconhecemos a nós mesmos como mortos para o pecado e vivos para Deus. O reconhecimento não produz o fato; ele simplesmente brota do fato.
Este é um fato no eterno conselho de Deus. É um fato na economia divina da redenção. É um fato na consumação lavrada pelo Filho de Deus na cruz do Calvário. É um fato porque, quando o bendito Redentor morreu a vergonhosa morte de um escravo e um criminoso no maldito madeiro da cruz, Deus nos diz em sua Santa Palavra (e toda a Bíblia se centraliza nesse fato e é como o coro de um milhão de vozes ressonantes com seus louvores), que foi para tirar o pecado do mundo. Quando o pecador crê e é salvo, ele não cria o fato, ele simplesmente descansa no fato estabelecido desde a fundação do mundo quando, como lemos em Apocalipse, o Cordeiro de Deus foi imolado. O Calvário foi a expressão visível de um fato já estabelecido pelo determinado conselho e presciência de Deus.
«Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus, nosso Senhor» (Rom. 6:11)
F.J. Huegel (1889-1971)
Pregador norte-americano e autor da vida mais profunda.

A carne, especialista no «Eu»
«Porque se viverdes conforme à carne, morrereis; mas se pelo Espírito mortificardes as obras da carne, vivereis» (Rom. 8:13).
Embora o crente tenha emergido da desordem e da confusão de Romanos 7, através da ordem de Paulo: «considerai-vos mortos para o pecado», ainda assim permanece o fato de que ele descobrirá muitas maneiras pelas quais o ego procura satisfação, através das esferas do seu ser ainda não rendidas. A carne, o corpo, todo o nosso complexo mortal, evidentemente ainda está presente em Romanos 8. Este capítulo representa muitas maneiras pelas quais a mortificação deve ser estabelecida. O crente vitorioso tomará consciência das muitas formas do ego que ainda precisam ser tratadas.
Nós descobriremos:
*Em nosso serviço para Cristo: autoconfiança e autoestima;
*No mais leve sofrimento: autosalvação e autopiedade;
*Na menor incompreensão: autodefesa e autoreivindicação;
*Em nossa posição na vida: egoísmo e egocentrismo;
*Na menor tribulação: autoinspeção e autoacusação;
*Em nossas relações: autoafirmação e respeito próprio;
*Em nossa educação: orgulho próprio e expressão de ideias e sentimentos próprios;
*Em nossos desejos: vida regalada e autosatisfação;
*Em nossos êxitos: autoadmiração e autocongratulação;
*Em nossas falhas: autodesculpa e autojustificação;
*Em nossas realizações espirituais: justiça própria e autocomplacência;
*Em nosso ministério público: autoreflexão e glória própria;
*Na vida como um todo: amor próprio e egoísmo.
A CARNE É UMA ESPECIALISTA NO «EU».
Leslie E. Maxwell, ministro e autor americano (1895-1984).


quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Livro gratuito Pais da Reforma Protestante em 200 Frases

      


      Este é um livrinho singelo. São apenas 39 páginas, reunindo citações de temática diversificada da lavra daqueles que chamamos de Reformadores, tais como Lutero, Calvino e Zwinglio, e também dos assim chamados Pré-Reformadores, como Savonarola, Huss e Wycliffe, cujo esforço e eventual martírio foram precursores da Reforma maior que havia de vir.

      Neste ano comemoramos nada menos que quinhentos anos de Reforma Protestante. Assim, redondos, perfeitos. Por ocasião de tal efeméride, devemos ter por mote capital o lema proposto pelo reformador holandês Gisbertus Voetius (1589-1676): “Ecclesia Reformata et Semper Reformanda Est” (“A Igreja é reformada e está sempre se reformando”). A frase significa que a obra da Reforma não está concluída, mas persevera ou deve perseverar em seu avanço em direção à verdade e à vivência de um cristianismo a cada dia mais bíblico (há quem utilize o termo apostólico, perfeitamente válido) e equilibrado.

      Se a Reforma representou um retorno ou reaproximação à verdade, tal verdade deve ser comunicada com urgência e ímpeto; ímpeto maior do que o daqueles que comunicam o engano, cada vez maior, em cada vez mais variadas formas. Cremos que a Reforma é um movimento engendrado em Deus, peça de perfeito encaixe dentro de seu Kairós, seu tempo; movimento que aponta para conserto dos agentes e engajamento na ação, ou seja, reerguimento da Igreja e/para o cumprimento da Grande Comissão. Assim, a Reforma é um prenúncio da volta do Rei, e um movimento fundamental de seu glorioso retorno.

      No mais, aqui estão: os pais reformadores, em suas próprias palavras.


Para baixar o e-book pelo site Google Drive, CLIQUE AQUI.
Para baixar o e-book pelo site 4Shared, CLIQUE AQUI.
Para baixar o e-book pelo site Scribd, CLIQUE AQUI.
Para baixar o e-book pelo site SlideShare, CLIQUE AQUI.

domingo, 6 de agosto de 2017

Textos de Lutero: A palavra do Senhor é reta



Leia em sua Bíblia: Salmo 33
A palavra do Senhor é reta o seu proceder é fiel”. (v. 4)

Isto é verdade e jamais falha. O que Deus promete, sejam coisas terrenas ou eternas, isso ele cumpre, e o concede fielmente. E cumpre suas promessas de modo tão maravilhoso que vai além de toda compreensão. Essa confiança é certa. E você, cumpra tranqüilamente seu dever e confie sem vacilar e fielmente nele. Essa promessa divina é uma certeza além de todas as medidas, preciosa, rica e forte. Ela não deixa ninguém cair nem espernear na incerteza. Se você reconhece o sacramento como sendo uma promessa e não um sacrifício, você tem a certeza de que Deus é verdadeiro e não pode mentir, um Deus que cumpre o que promete. E, assim, você o terá e encontrará quando tem esse conceito dele e quando crê. E quando percebe que nada mais lhe oferece do que graça, verá com a mente alegre e aliviada que ele nada exige de você – por exemplo, que lhe ofereça sacrifício ou lhe dê algo –, mas que o atrai com amor e amabilidade, incitando-o a aceitar o que lhe presenteia.


quinta-feira, 27 de julho de 2017

Imperativos de mutualidade contidos nas epístolas do Novo Testamento


Imperativos de mutualidade contidos nas epístolas do Novo Testamento

Significado de Mutualidade. Substantivo feminino. Particularidade, característica ou qualidade do que é mútuo; em que há reciprocidade ou troca. Troca realizada de modo recíproco; mutuação: a mutualidade de grandes benefícios.

• Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal - Rom. 12:10.
• ...preferindo-vos em honra uns aos outros - Rom. 12:10
• Tendo o mesmo sentimento uns para com os outros - Rom. 12:16
• A ninguém fiquei devendo coisa alguma, exceto amor com que vos ameis uns aos outros - Rom. 13:8
• Não julguemos mais uns aos outros - Rom. 14:13
• Assim, pois, seguimos as coisas da paz e também as da edificação de uns para com os outros - Rom. 14:19
• Ora, o Deus de paciência consolação vos conceda o mesmo sentir de uns para com os outros - Rom. 15:5
• Acolhei-vos uns aos outros - Rom. 15:7
• ... aptos para vos admoestardes uns aos outros - Rom. 15:14
• ... sede, antes, servos uns dos outros - Gál. 5:13
• Levai as cargas uns dos outros - Gál. 6:2
• ... suportando-vos uns aos outros em amor - Efés. 4:2
• ... fale cada um a verdade com o seu próximo, porque somos membros uns dos outros - Efés. 4:25
• Antes sede uns para com os outros benignos, compassivos - Efés. 4:32
• ... perdoando-vos uns aos outros - Efés. 4:32
• ... sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo - Efés. 5:21
• ... mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si - Filip. 2:3
• Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, sanão cada qual o que e dos outros - Filip. 2:4
• Não mintais uns aos outros - Colos. 3:9
• Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente - Colos. 3:13
• ... instrui-vos e aconselhai-vos mutuamente - Colos. 3:16
• E o Senhor vos faça crescer e aumentar no amor uns para com os outros - I Tess. 3:12
• ... deveis amar-vos uns aos outros - I Tess. 4:9
• Consolai-vos, pois, uns aos outros - I Tess. 4:18
• Consolai-vos, pois, uns aos outros e edificai-vos reciprocamente - I Tess. 5:11
• Vivei em paz uns com os outros - I Tess. 5:13
• ... exortai-vos mutuamente cada dia - Heb. 3:13
• Consideremos-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras - Heb. 10:24
• Não negligencieis a prática do bem e a mútua cooperação - Heb. 13:16
• ... não vos queixeis uns dos outros - Tia. 5:9
• Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros - Tia. 5:16
• ... tendo em vista o amor fraternal não fingido, amai-vos de coração uns aos outros, ardentemente - I Ped. 1:22
• ... tende amor intenso uns para com os outros, porque o amor cobre multidão de pecados - I Ped. 4:8
• Sede mutuamente hospitaleiros sem murmuração - I Ped. 4:9
• Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu - I Ped. 4:10
• ... no trato de uns para com os outros, cingi-vos todos de humildade - I Ped. 5:5
• ... mantemos comunhão uns com os outros - I João 1:7

• Amemo-nos uns aos outros - I João 3:11, 23; 4:7,11; II João 1:5

domingo, 23 de julho de 2017

As frases definitivas sobre a Fé num pequeno e-book


Que tal poder ler, num único e-book, (mais de) 200 frases com definições e também reflexões sobre a Fé, coligidas de diversos autores cristãos e também de outras vertentes? É o que se propõe o e-book Fé em 200 Frases.
Este e-book faz parte da Coleção 200 Frases, que a cada volume abarca um tema em particular.
As outras assim chamadas virtudes teologais também já contam com seu volume: Amor em 200 Frases e Esperança em 200 Frases. A coleção conta ainda com o e-book a Amizade em 200 Frases, e em breve outros temas serão lançados.

Uma leitura breve mas profundamente edificante, num livrinho para onde sempre retornar em busca de sabedoria e inspiração.

Os e-books estão disponíveis na Amazon. Mesmo se você não possuir o leitor de e-books da Amazon, o Kindle, você pode fácil e gratuitamente baixar o aplicativo de leitura da Amazon, para poder ler os e-books em seu celular, tablet ou computador, sem problemas.

O e-book Fé em 200 Frases custa apenas R$ 2,99, e pode ser comprado aqui: https://goo.gl/srE2CT

Para visualizar todos os outros e-books da Coleção 200 Frases, bem como outros e-books do autor, acesse: https://www.amazon.com/-/e/B0741RKVSF


quarta-feira, 19 de julho de 2017

Como chegar a ser pescadores de homens - Charles Spurgeon


Leitura: Mateus 4:19
Quando Cristo nos chama por sua graça, nós devemos não só recordar o que somos, mas também pensar no que ele pode fazer de nós. «Vinde após mim, e vos farei...». Devemos nos arrepender do que fomos, mas nos regozijar no que podemos ser. Não é: «sigam-me, por causa daquilo que vocês já são», nem: «sigam-me, porque vocês podem fazer algo por si mesmos», mas: «sigam-me, par causa daquilo que eu vos farei ser».
Certamente, devo dizer que todos nós logo que nos convertemos, «ainda não se manifestou o que havemos de ser». Não parecia provável que uns humildes pescadores se converteriam em apóstolos; que homens tão úteis com a rede seriam aptos na casa para pregar sermões e instruir aos convertidos. Alguém diria: «Como pode ser isto? Não se pode converter esses camponeses da Galiléia em fundadores de igrejas».
Isso é exatamente o que Cristo fez; e quando nos aproximamos com humildade diante do olhar de Deus por um sentido de nossa própria indignidade, podemos nos sentir alentados a seguir a Jesus por causa daquilo que ele pode fazer de nós. O que dizer da mulher de espírito aflito quando ela elevou a sua canção? «Ele levanta do pó ao pobre, e do monturo exalta ao necessitado, para lhe fazer sentar-se com os príncipes...» (1 Samuel 2:8). Não podemos dizer o que Deus pode fazer de nós na nova criação, já que teria sido absolutamente impossível ter previsto o que ele fez do caos na velha criação.
Quem poderia ter imaginado todas as coisas belas que saíram da escuridão e do caos, a partir daquela ordem: «Haja luz»? E quem pode dizer quão bela amostra de tudo o que é divinamente justo, aparece na vida antes às escuras de um homem a quem a graça de Deus tem dito: «Haja luz»? Oh, vocês que no presente não vêem em si mesmos nada do que é desejável, vêm e sigam a Cristo por causa do que ele pode fazer de vocês. Não ouvem sua doce voz lhes chamando e dizendo: «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens»?
Em seguida, notem que nós não fomos feitos tudo o que seremos, nem tudo o que deveríamos ser, quando formos pescados e capturados. Isto é o que a graça de Deus faz por nós no princípio; mas não é tudo. Nós somos como peixes que vivemos no pecado como nosso elemento; e o bom Senhor vem, e com a rede do evangelho pega e nos liberta de uma vida de amor ao pecado.
Mas, quando ele fez isto, ainda não tinha forjado em nós tudo o que ele pode fazer, nem tudo o que desejaríamos que ele fizesse; já que é distinto e maior o milagre de que nós, sendo peixes, cheguemos a ser pescadores: Os salvos são feitos agentes de salvação; os convertidos, instrumentos de conversão; os receptores do evangelho, transmissores desse mesmo evangelho a outras pessoas. Creio que posso dizer a cada um de vocês: ‘Se tu mesmo tem sido salvo, a obra estará feita pela metade até que te ocupes em levar outros a Cristo’. Até aqui, estás formado só na metade da imagem do seu Senhor. Não alcançará o pleno desenvolvimento da vida de Cristo em ti a menos que tenha começado, de algum modo, a falar com outros da graça de Deus. E confio em que não dará descanso aos seus pés até que tenha sido o meio de levar a muitos esse bendito Salvador que é a sua confiança e a sua esperança. Sua palavra é: «sigam-me», não só para que possam ser salvos, nem mesmo para serem santificados; mas: «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens».
Sigam a Cristo com essa intenção e esse objetivo; e tenham temor de não estar seguindo-o perfeitamente a menos que em algum grau ele os esteja utilizando como pescadores de homens. O fato é que cada um de nós deve ter o ofício de pescadores de homens. Se Cristo nos apanhou, devemos capturar a outros. Se fomos aprisionados por ele, devemos ser seus oficiais para apanhar os rebeldes. Devemos lhe pedir que nos dê a graça para ir pescar e assim lançar nossas redes para capturar uma grande multidão de peixes. Oh, que o Espírito Santo possa levantar entre nós pescadores mestres, que levem os seus barcos a muitos mares, para recolher grandes cardumes de peixes!
Meu ensino agora será muito simples, mas espero ser eminentemente prático; porque meu desejo é que nenhum dos que amam ao Senhor fraqueje em seu serviço. O que diz Cantares de Salomão com respeito à certa ovelha que sobe do lavadouro? «Todas com as crias gêmeas, e nenhuma entre elas estéril». Que seja assim com todo o povo cristão!
De fato, o dia é muito escuro. Os céus se cobrem com pesadas nuvens de tormenta. Os homens não imaginam que as tempestades possam logo sacudir a cidade e toda a classe social desta terra, até uma ruptura geral da sociedade. Tão escura pode chegar a ser a noite que as estrelas pareçam cair como frutos prematuros da árvore. Os tempos são maus. Hoje, como nunca antes, cada vagalume deve mostrar o seu brilho. Vocês, até com a vela mais diminuta, devem tomá-la de debaixo do velador e pô-la em um castiçal. Há necessidade de todos vocês. Ló era uma pobre criatura, um tipo muito miserável de crente; mas mesmo assim, pôde ser uma grande bênção para Sodoma.  Mas não intercedeu como deveria tê-lo feito. E os pobres cristãos, como temo que muitos são, comecem a valorizar cada alma verdadeiramente convertida nestes dias maus e a orar para que cada uma possa glorificar ao Senhor.
Rogo que cada homem justo que se sinta incomodado com o falatório dos malvados, possa ser mais impertinente na oração, como nunca antes, e voltar-se para o seu Deus para obter mais vida espiritual, para poder ser bênção às pessoas que perecem ao seu redor. Portanto, falo-lhes com este pensamento primordial. Oh, que o Espírito de Deus possa fazer que cada um de vocês sinta a sua responsabilidade pessoal!
Aqui, para os crentes em Cristo, para que eles sejam úteis, há uma tarefa a realizar. «Vinde após mim...». Mas, em segundo lugar, há algo que o seu grande Senhor e Mestre realizará: «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens». Vocês não crescerão como pescadores por si mesmos, mas isto é o que Jesus fará por vocês se apenas lhe seguirem. E em seguida, por último, aqui há uma boa ilustração, usada como estava acostumado a fazer o nosso grande Mestre; porque raras vezes falava com o povo sem uma parábola. Ele nos apresenta uma ilustração do que deveriam ser os homens cristãos: Pescadores de homens. Dela, podemos obter algumas sugestões úteis, e rogo que o Espírito Santo as abençoe para nós.

I.  O que Nós Fazemos
Seguir a Cristo
Em primeiro lugar, então, verificamos que todo crente quer ser útil. Se não for assim, me permito perguntar se pode ser um verdadeiro crente em Cristo. Bem, então, se queres ser realmente útil, aqui há ALGO QUE PODE FAZER COM ESSE FIM: «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens».
Qual é o caminho para converter-se em um pregador eficiente? «Jovem», diz alguém, «vá para a universidade». «Jovem», diz Cristo, «siga-me, e eu te farei um pescador de homens». Como pode uma pessoa ser útil? «Participe de um curso de treinamento», diz alguém. Correto; mas há uma resposta mais segura que essa: Sigam a Jesus e ele vos fará pescadores de homens.
A grande escola de formação para os obreiros cristãos tem a Cristo por cabeça; e ele está como cabeça, não só como um tutor, mas também como um líder. Nós não só aprendemos dele estudando, mas também o seguindo na ação: «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens». A direção é muito clara e simples, e creio que é exclusiva, porque nenhum homem pode converter-se em um pescador por nenhum outro processo. Este processo pode parecer muito simples; mas certamente é o mais eficiente. O Senhor Jesus Cristo, que sabia tudo sobre a pesca de homens, foi o próprio doador da regra: «sigam-me, se desejam ser pescadores de homens. Se querem ser úteis, permaneçam no meu caminho».
Compreendo isto, primeiro, neste sentido: Ser separados para Cristo. Estes homens iam abandonar as suas atividades; iam deixar os seus companheiros; eles foram, de fato, separados do mundo, para que o seu único ofício fosse, no nome do seu Mestre, pescadores de homens. Nem todos são chamados para abandonar as suas ocupações cotidianas ou a deixarem as suas famílias. Isso seria antes escapar da pesca do que trabalhar nela no nome de Deus.
Mas somos chamados mais claramente para sair dentre os ímpios; para nos apartar e não tocar coisa impura. Não podemos ser pescadores de homens se permanecermos entre os homens, na mesma espécie que eles. Os peixes não serão pescadores. O pecador não converterá ao pecador. O homem ímpio não converterá ao homem ímpio; e, o que é mais sutil, o cristão mundano não converterá o mundo. Se for do mundo, sem dúvida o mundo amará o que é seu; mas você não poderá salvar o mundo. Se viver obscuramente e pertencer ao reino das trevas, não poderá remover as trevas. Se marchas com os exércitos dos iníquos, não poderá derrotá-los.
Creio que uma das razões pelas quais a igreja de Deus tem hoje pouca influencia sobre o mundo, é porque o mundo tem muita influência sobre a igreja. Hoje em dia ouvimos os Não Conformistas alegando que eles podem fazer isto e aquilo – coisas pelas quais os seus antepassados puritanos teriam morrido na fogueira, antes de havê-las tolerado-. Advogam por viver como mundanos. Minha triste resposta a aqueles que desejam essa liberdade, é: «Faça-o se te atreves. Não te poderá fazer muito dano, porque já é muito mal. Teus desejos mostram o quão podre está o teu coração. Se tiveres fome depois de tal comida de cães, anda e come do lixo. As diversões mundanas são mantimentos aptos para meros simuladores e hipócritas. Se vocês fossem filhos de Deus, detestariam o próprio pensamento do desfrute malvado do mundo, e sua pergunta não seria: «Até onde podemos ser como o mundo?», mas o seu clamor seria: «Quão longe podemos nos apartar do mundo? Quanto mais podemos sair dele?». Sua tentação, em um tempo como este, deveria melhor estar em converter-se em puritanos ultra-severos em sua separação do pecado, do que em perguntar: «Como posso fazer eu o mesmo que fazem outros homens e atuar como eles?» Irmãos, a utilidade da igreja no mundo deveria ser como o sal no meio da putrefação; mas se o sal tiver perdido o seu sabor, para que serve? Se o próprio sal pudesse se corromper, não poderia haver senão um aumento e uma intensificação da corrupção geral.
O pior dia que o mundo jamais viu foi aquele em que os filhos de Deus se uniram com as filhas dos homens. Então veio o dilúvio; porque a única barreira contra uma inundação de vingança neste mundo é a separação entre o santo e o pecador. O seu dever como cristão é manter-se firme em seu próprio lugar voltado para Deus, aborrecendo até os objetos manchados pela carne, resolvendo, como um daqueles antigos, que outros façam o que lhes é próprio, enquanto quanto a ti, tu e tua casa servirão ao Senhor.
Venham, filhos de Deus, vocês devem sair com o seu Senhor para fora do arraial. Jesus lhes chama hoje dizendo: «Vinde após mim». Você achou Jesus no teatro? Ele freqüentava os esportes do hipódromo? Vocês pensam que Jesus foi visto em alguma das diversões da corte herodiana? Não. Ele era «santo, inocente, sem mancha, apartado dos pecadores». Em um sentido, ninguém se misturou com os pecadores tão completamente como o fez ele quando, como um médico, esteve entre eles curando os seus males; mas em outro sentido, houve um abismo aberto entre os homens do mundo e O Salvador, que ele nunca tentou cruzar, e que os homens não podiam cruzar para enlodá-lo. A primeira lição que a igreja tem que aprender é a seguinte: Sigam a Jesus no estado de separação, e ele lhes fará pescadores de homens. A menos que vocês tomem a sua cruz e protestem contra um mundo ímpio, não podem esperar que o Jesus santo lhes faça pescadores de homens.

Viver com Cristo
Um segundo significado muito evidente de nosso texto é este: Vivam com Cristo e então serão feitos pescadores de homens. Os discípulos, a quem Cristo chamou, foram viver com ele. Foram a cada dia se associando com ele. Foram para lhe ouvir ensinar publicamente o evangelho eterno, e, além disso, receberam explicações seletas em privado da palavra que ele tinha falado. Eles foram seus servidores próximos e seus amigos pessoais. Eles viram os seus milagres e ouviram as suas orações; e, melhor ainda, foram estar com ele e para converter-se em um com ele em sua obra santa. Foi dado sentar-se à mesa com ele, e até os seus pés foram lavados por ele. Muitos deles cumpriram esta palavra: «Onde quer que viveres, viverei». Estiveram com ele em suas aflições e perseguições. Foram testemunhas das suas agonias secretas; viram muitas das suas lágrimas; observaram a paixão e a compaixão da sua alma e assim, depois de tudo isto, compreenderam o seu espírito, e desse modo aprenderam a ser pescadores de homens.
Aos pés de Jesus devemos aprender a arte e o mistério de ganhar almas. Porque viver com Cristo é a melhor preparação para ser útil. É uma grande bênção para qualquer homem associar-se com um ministro cristão cujo coração arde. A melhor formação para um jovem é aquela que os pastores valdenses costumavam dar, quando cada homem ancião tinha um homem jovem com ele, que caminhava com ele quando subia a ladeira da montanha para pregar e vivia na casa com ele, e este ouvia as suas orações e via a sua piedade diária.
Esta era uma instrução fina; mas não é comparável com aquela dos apóstolos que viveram com Jesus e foram os seus companheiros cotidianos. A formação dos Doze foi inigualável. Não é de estranhar que chegassem a ser o que foram com semelhante tutor celestial lhes saturando com o seu próprio espírito! Hoje em dia, a presença corporal dele não está entre nós; mas o seu poder espiritual é talvez mais plenamente conhecido para nós do que foi pelos apóstolos nesses dois ou três anos de presença física do Senhor.
Há alguns de nós com quem ele é mais íntimo e próximo. Sabemos mais a respeito dele que a respeito de nosso amigo mais querido na terra. Nunca pudemos ler totalmente o coração do nosso amigo em todos os seus cantos e sinuosidades, mas conhecemos o coração do Bem-amado. Reclinamos a cabeça em seu peito e desfrutamos de uma comunhão com ele como não poderíamos ter com nenhum dos nossos próprios familiares. Este é o método mais seguro para aprender a fazer o que é bom.
Vivam com Jesus, sigam a Jesus e ele os fará pescadores de homens. Vejam como ele opera e aprenderão a fazê-lo vocês mesmos. Um homem cristão deve ser um aprendiz atrelado a Jesus para aprender a tarefa do Salvador. Nós nunca podemos salvar homens oferecendo redenção, pois não temos nada que apresentar; mas podemos aprender como salvar homens lhes advertindo que fujam da ira vindoura e lhes apresentando o único grande remédio eficaz. Vejam como Jesus salva, e saberão como se faz. Não existe outra forma de aprender isto. Viva em comunhão com Cristo e haverá sobre ti o jeito e a maneira daquele que foi feito apto no coração e mente para ensinar e sábio para ganhar almas.

Obedecer a Cristo
No entanto, podemos dar um terceiro significado a este: «Vinde após mim», e é: «me obedeçam, e então saberão o que fazer para salvar homens». Não podemos falar de nossa comunhão com Cristo ou de nossa separação do mundo para ele, a menos que façamos dele nosso Mestre e Senhor em tudo. Se alguns mestres públicos não forem conseqüentes em todos os pontos de suas convicções, como podem buscar uma bênção?
Um homem cristão desejoso de ser útil deveria ser muito preciso com relação a cada ponto da obediência a seu Mestre. Sem dúvida, Deus abençoe as nossas igrejas mesmo que sejam muito defeituosas, porque a sua misericórdia permanece para sempre. Quando há uma medida de engano no ensino e uma medida de engano na prática, ele ainda pode utilizar o ministério, porque a sua graça é admirável. Mas uma grande medida de bênção deve ser necessariamente retida de todo ensino que seja deliberado ou notoriamente defeituoso. Deus pode pôr o seu selo sobre a verdade que há nisso, mas ele não pode confirmar o engano que está ali. Dos enganos a respeito das ordenanças cristãs e outras coisas, sobre todos os enganos no coração e no espírito, podem vir males que nós nunca procuramos. Tais males podem estar operando até agora sobre o tempo presente, e podem causar danos ainda piores sobre as gerações futuras. Se desejamos ser amplamente utilizados por Deus como pescadores de homens, devemos imitar o nosso Senhor Jesus em tudo e lhe obedecer em cada ponto.
O fracasso na obediência pode conduzir ao fracasso no êxito. Cada um de nós, se deseja ver seu filho salvo, a sua classe de escola dominical abençoada, ou a sua congregação convertida, deve cuidar que, estando aos cuidados dos vasos do Senhor, ele próprio esteja limpo. Algo que façamos que entristeça o Espírito de Deus tira de nós alguma parte do nosso poder para o bem.
O Senhor é misericordioso e cheio de graça; no entanto, é um Deus zeloso. Às vezes é severamente zeloso quando o seu povo vive descuidando do seu dever conhecido ou em associações que não são limpas diante dos seus olhos. Ele abaterá a obra deles, debilitará as suas forças e lhes humilhará, até que digam finalmente: «Meu Senhor, quero tomar o teu caminho. Quero fazer o que tu me convidas a fazer, porque de outra forma tu não me aceitarás».
O Senhor disse aos seus discípulos: «Ide por todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado, será salvo», e lhes prometeu sinais que lhes seguiriam, e assim o fizeram. Devemos voltar para a prática e o ensino apostólico. Ignorando os mandamentos dos homens e a vaidade da nossa própria mente, devemos fazer o que Cristo nos diz, como Cristo diz, e porque Cristo diz. Definitivamente e claramente, devemos tomar o lugar de servos; e se não o fizermos, não poderemos esperar que o nosso Senhor trabalhe conosco e por nós. Devemos decidir que, tão real como a agulha aponta para o pólo, verdadeiro seja, no que corresponde a nossa luz, o mandado do nosso Senhor e Mestre: «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens». Este ensino parece dizer: «Se forem além de mim, ou mais atrás de mim, poderá lançar a rede; mas a noite estará sobre ti, e nessa escuridão não achará nada. Quando fizer o que eu te digo, lançará a tua rede do lado direito do barco, e achará».
Uma vez mais, creio que aqui há uma grande lição para aqueles que pregam os seus próprios pensamentos em lugar de expor os pensamentos de Cristo. Os discípulos seguiram a Cristo para ouvi-lo, para escutar o que tinha que dizer, beber do seu ensino e então ir e ensinar o que ele lhes tinha ensinado. O seu Senhor lhes diz: «O que vos digo em oculto, dizei-o na luz; e o que ouvis ao ouvido, proclamem dos eirados».
Se eles forem repórteres fidedignos da mensagem de Cristo, ele lhes faria «pescadores de homens». Mas vocês conhecem o método jactancioso de hoje em dia: «Eu não vou pregar este evangelho tão antiquado, esta oxidada doutrina puritana. Me sentarei em meu estúdio até que as velas não ardam e inventarei uma nova teoria; então, sairei com o meu pensamento totalmente novo e iluminarei longe com ele». Muitos não estão seguindo a Cristo, mas a si mesmos e deles bem pode dizer o Senhor: «Vocês verão qual palavra permanece, a minha ou a de vocês».
Outros são perversamente prudentes e julgam que certas verdades, que são evidentemente, palavra de Deus, seria melhor mantê-las guardadas. Você não deve ser áspero, só deve profetizar coisas suaves. Para que falar sobre o castigo do pecado, e o castigo eterno? São doutrinas antiquadas. Pode ser que elas são ensinadas na palavra de Deus, mas não se ajustam à época atual. Devemos reluzi-las. Irmãos em Cristo, eu não terei parte alguma nisto. E vocês? Oh, minha alma, não entres no segredo deles! Nossa era ilustrada tem descoberto certas coisas que não se ensinam na Bíblia. A Evolução pode ser claramente oposta ao ensino de Gênesis, mas isso não importa. Não vamos ser crentes da Escritura, mas pensadores originais. Tal é a ambição vangloriosa de nosso tempo.
Vocês notem, o vício desta geração aumenta em proporção a pregação da teologia moderna. Em grande medida, atribuo a vida licenciosa deste tempo ao relaxamento da doutrina pregada por seus mestres. Do púlpito ensinam ao povo que o pecado é uma insignificância. Do púlpito estes traidores de Deus e do seu Cristo ensinaram às pessoas que não há nenhum inferno ao qual temer. Um inferno pequeno, mínimo, talvez, pode haver; mas o justo castigo pelo pecado é invalidado. O precioso sacrifício expiatório de Cristo foi ridicularizado e tergiversado por aqueles que se comprometeram a pregá-lo. Deram às pessoas o nome de evangelho, mas o evangelho em si mesmo se evaporou em suas mãos. Das centenas de púlpitos se encarregaram de extinguir o evangelho, tal como o pássaro dodo de seus antigos refúgios; e ainda assim os pregadores tomam a posição e o nome de ministros de Cristo.
Bom, e qual é a conseqüência disso? Que as suas congregações crescem mais e mais frágeis; e assim deve ser. Jesus diz: «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens»; mas se for por seu próprio caminho, com a sua própria rede, não obterá nada, e o Senhor não te promete ajuda dessa maneira. Os mandamentos do Senhor fazem dele nosso líder e exemplo. «Vinde após mim, sigam a mim, pregue o meu evangelho. Prega o que eu prego; ensina o que eu ensino e permaneça nisso». Com a bendita atitude de servos, cuja ambição é serem imitadores e nunca serem originais, copiem a Cristo inclusive em jotas e tils. Façam, e ele lhes fará pescadores de homens; de outro modo, vocês pescarão em vão.

Santificar-nos
Fecho esta parte do discurso dizendo que não seremos pescadores de homens a menos que sigamos a Cristo em outro aspecto; e é, nos esforçando, em todos os pontos, por imitar a sua santidade. A santidade é o poder mais real que pode ser possuído por homens ou mulheres. Nós podemos pregar a ortodoxia, mas também devemos viver a ortodoxia. Deus proíbe que preguemos outra coisa; mas tudo será vão, a menos que exista uma vida que respalde o testemunho.
Um pregador ímpio até pode tornar a verdade desprezível. Na medida em que alguém retrocede de uma vida de zelosa santificação, retrocederá do lugar de poder. O nosso poder se encontra nesta palavra: «sigam-me». Ser como Jesus. Em todas as coisas, esforcem-se em pensar, falar e atuar como Jesus fez, e ele os fará pescadores de homens. Isto requererá negar-se a si mesmos, e tomar a sua cruz a cada dia.
Isto pode requerer a vontade de renunciar a nossa reputação – estar dispostos a ser tidos por néscios, idiotas e coisas deste estilo, tal como os homens costumam chamar a aqueles que permanecem com seu Mestre. Deve haver a alegre renuncia a tudo aquilo que se veja como honra e glória pessoal, para que possamos ser totalmente de Cristo e glorificar o seu nome. Temos que viver a sua vida e estar dispostos a morrer a sua morte se for necessário.
Oh irmãos e irmãs, se fizermos isto e seguimos a Jesus, pondo os nossos pés nos passos dos seus pés transpassados, ele nos fará pescadores de homens. Se ele se agradar que nós deixemos esta vida sem ter trazido muitas almas à cruz, falaremos de nossas tumbas. De uma maneira ou outra, o Senhor fará que uma vida santa seja uma vida influente. Não é possível que uma vida que pode ser descrita como a de um seguidor de Cristo seja uma vida infrutífera aos olhos do Altíssimo. Se depois do «Siga-me» há um «Vou», Deus jamais se retratará de sua palavra: «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens».
Até aqui o primeiro ponto. Há algo que nós devemos fazer: por graça, fomos chamados para seguir a Jesus. Espírito Santo, guia-nos a fazê-lo.

II. O que Cristo faz
Mas em segundo lugar, brevemente, há ALGO QUE O SENHOR FAZ. Quando os seus servos amados o seguem, ele diz: «Vos farei pescadores de homens», e nunca esqueçamos que é ele quem nos faz seguir-lhe; pelo qual, se você der o passo para ser pescadores de homens, até isso mesmo é dado por ele. Tenho me referido a apreender o seu espírito, para morar nele, a obedecer-lhe, para ouvir-lhe e para imitar-lhe; mas não podemos apartar nenhuma destas coisas de Sua obra total em nós. «De mim será achado o teu fruto», é um texto que não devemos esquecer nunca. Portanto, então, se o seguirmos, é ele quem nos faz lhe seguir; e assim ele nos faz pescadores de homens.
Mas, além disso, se seguirmos a Cristo, ele nos fará pescadores de homens por meio de toda a nossa experiência. Estou seguro de que o homem que realmente está consagrado a abençoar a outros será ajudado nisto por tudo o que ele sente, especialmente por suas aflições. Freqüentemente me sinto muito agradecido a Deus por ter sofrido terríveis depressões de espírito. Conheço as fronteiras do desespero e a beira horrível desse abismo da escuridão em que quase escorregaram os meus pés; mas centenas de vezes tenho podido brindar o apoio útil a irmãos e irmãs que estiveram nessa mesma condição, apoio que nunca poderia ter dado se não tivesse conhecido o seu profundo abatimento.
Pelo qual creio que até a experiência mais obscura e mais terrível de um filho de Deus o ajudará a ser um pescador de homens, se ele quer seguir a Cristo. Permaneça próximo do seu Senhor e ele fará de cada passagem uma bênção para ti. Se Deus em sua providência te faz rico, ele te equipará para falar com aqueles ricos ignorantes e malvados que tanto abundam nesta cidade e tão freqüentemente são a causa do seu pior pecado. E se ao Senhor lhe agrada te fazer muito pobre, poderá baixar e falar com aqueles pobres ímpios e ignorantes que tão freqüentemente são a causa do pecado nesta cidade e que com tanta urgência necessitam do evangelho.
Os ventos da Providência te levarão onde possa pescar homens. As rodas da Providência estão cheias de olhos, e todos aqueles olhos olharão o caminho para nos ajudar a sermos ganhadores de almas. Freqüentemente te surpreenderás ao verificar como Deus esteve em uma casa que você visitou: antes que você chegasse ali, a sua mão esteve operando neles. Quando deseja falar com algum indivíduo em particular, a Providência de Deus esteve tratando essa pessoa, preparando-a justamente para essa palavra que você poderá falar, mas que ninguém, a não ser você poderia dizer. Oh, sê tu um seguidor de Cristo, e acharás que, por meio de cada experiência através da qual estás passando, ele te fará um pescador de homens.
Mais mesmo, se o seguires, ele te fará pescador de homens por meio de distintas advertências em seu próprio coração. Há muitos conselhos do Espírito de Deus que os cristãos não atendem quando estão em uma condição insensível; mas quando o coração está em paz com Deus e vivendo em comunhão com Deus, temos uma sensibilidade santa, pelo qual não é necessário que o Senhor grite a nós, pois ouvimos o seu assobio aprazível. Não, ele não necessita nem sequer sussurrar. «Tu me guiarás com os seus olhos». Ah, quantos cristãos teimosos como mulas devem ser refreados e receber de vez em quando um golpe do chicote! Mas o cristão que segue ao seu Senhor será guiado com ternura. Não digo que o Espírito de Deus te dirá: «Aproxima-te e ajunta-te a esse carro», ou que você ouvirá uma palavra em seu ouvido; mas em sua alma, tão claramente como o Espírito disse a Felipe: «Aproxima-te e ajunta-te a esse carro», você ouvirá a vontade do Senhor. Logo que ver um indivíduo, o pensamento cruzará a sua mente: «Se aproxime e fale com essa pessoa». Cada oportunidade de ser útil será uma chamada para ti. Se estiveres preparado, a porta se abrirá diante de ti e ouvirás detrás de ti uma voz dizendo: «Este é o caminho; andai por ele». Se tiveres a graça para correres a carreira legitimamente, nunca estarás muito tempo sem um indício sobre a via perfeita a seguires. Essa via correta te levará ao rio ou ao mar, onde poderá lançar a sua rede e ser um pescador de homens.
Então, também, creio que o Senhor diz com isto que ele daria aos seus seguidores o Espírito Santo. Eles iam seguir-lhe, e em seguida, depois de lhe haver visto subir ao lugar santo do Altíssimo, permaneceriam em Jerusalém por um pouco de tempo, e o Espírito desceria sobre eles lhes revestindo com um misterioso poder. Esta palavra foi falada a Pedro e a André; e vocês sabem como se cumpriu com Pedro. Que multidão de peixes trouxe para terra a primeira vez que ele lançou a rede no poder do Espírito Santo! «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens».
Irmãos, não temos consciência do que Deus poderia fazer por meio desta companhia de crentes reunidos neste lugar. Se agora nós fôssemos cheios com o Espírito Santo, haveria bastante para evangelizar esta cidade. Há suficiente aqui para ser o meio da salvação do mundo. Deus salva não por muitos nem por poucos. Peçamos uma bênção; e ao buscá-la, ouçamos esta voz direta: «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens».
Vocês estão na beira do grande mar da vida humana, as multidões das almas dos homens. Vocês vivem no meio de milhões; mas se vierem atrás de Jesus e forem fiéis a ele, verazes com ele e fizer o que ele lhes pede, ele vos fará pescadores de homens. Não diga: «Quem salvará esta cidade?». O mais fraco será suficientemente forte. O pão de cevada de Gideão baterá na tenda e a fará cair. Sansão, com a queixada tirada da terra, branqueada pelo sol, ferirá os filisteus. Não tema, ninguém desmaie. Deixe as suas responsabilidades mais próximas do seu Mestre. Que o horror do pecado imperante te faça olhar o Seu rosto amado, que há muito tempo chorou sobre Jerusalém e agora chora sobre este lugar. Aprisiona-o e nunca soltes o seu apoio.
Pelos fortes e poderosos impulsos da vida divina dentro de ti, vivificados e trazidos à maturidade pelo Espírito de Deus, aprenda essa lição da boca do Senhor: «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens». Você não é apto para isso, mas ele te capacitará. Você não pode fazê-lo por ti mesmo, mas ele te fará cumpri-la. Você não sabe como lançar as redes e trazer os cardumes de peixes para a margem, mas ele te ensinará. Apenas siga-lhe, e ele te fará um pescador de homens.
Queria de alguma maneira poder dizer isto como com voz de trovão, de modo que toda a igreja de Deus pudesse ouvi-la. Desejaria poder escrever com uma linha de estrelas no céu: «Jesus disse: Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens». Se esquecer o preceito, a promessa nunca será tua. Se seguir alguma outra via, ou imitar a algum outro líder, pescará em vão. Deus nos conceda crer plenamente que Jesus pode fazer grandes coisas em nós e em seguida fazer grandes coisas através de nós, pelo bem de nossos companheiros!

III. Qualidades de um bom pescador
O último ponto vocês mesmos podem desenvolvê-lo em sua totalidade em suas meditações privadas com muito proveito. Aqui temos uma figura completa de instrução. Dar-lhes-ei só duas ou três idéias que podem utilizar. «Eu vos farei pescadores de homens». «Vocês tem sido pescadores de peixes: se vocês me seguirem, eu vos farei pescadores de homens».
Um pescador deve ser uma pessoa muito dependente e deve ser confiante. Ele não pode ver os peixes. Aqueles que pescam no mar devem ir e lançar a rede, por assim dizer, ao acaso. A pesca é um ato de fé. Tenho visto freqüentemente no mar Mediterrâneo, homens que vão com seus barcos e rodeiam as águas com longas redes; e no entanto, quando arrastaram a rede para a margem, tiveram tanto resultado como o que eu poderia pôr em minha mão. Uns insignificantes prateados desprezíveis foram tudo o que pegaram. No entanto, eles tornaram a lançar a grande rede várias vezes no dia, aguardando com esperança o que aconteceria.
Ninguém é tão dependente de Deus como o ministro de Deus. Oh, esta pesca é uma obra de fé! Eu não posso dizer que uma alma será trazida a Deus por ela. Eu não posso julgar se o meu sermão será adequado para as pessoas que estão aqui, mas creio que Deus me guiará ao lançar a rede. Espero que ele opere para a salvação, e dependo dele para isso. Amo esta dependência absoluta, e se me oferecesse um aumento no poder da pregação, de tal forma que eu pudesse salvar pecadores, e que estivesse ao meu inteiro dispor, eu suplicaria ao Senhor que não me permitisse tê-lo, já que é muito mais delicioso ser completamente dependente dele em todo momento.
É bom ser um néscio quando Cristo é feito a sua sabedoria. É uma coisa bendita ser fraco se Cristo se converter mais plenamente em sua força. Vão trabalhar, vocês que serão pescadores de homens e, no entanto, sintam a sua insuficiência. Vocês que não têm forças, invistam nesta obra divina. A força do seu Mestre será vista quando a tua própria desaparece. Um pescador é uma pessoa dependente, ele deve procurar o êxito cada vez que dispõe a rede; mas ainda é uma pessoa confiada e, portanto, lança a rede com alegria.
Um pescador que subsiste do seu ofício é um homem diligente e perseverante. Os pescadores estão em pé ao amanhecer. Ao clarear o dia, eles estão pescando, e continuam a tarefa até o final da tarde. Enquanto as mãos puderem trabalhar, os homens pescarão. Que o Senhor Jesus nos faça ser esforçados, perseverantes, incansáveis pescadores de homens! «Pela manhã semeia a tua semente, e à tarde não deixe repousar a tua mão; porque não sabes qual será o melhor, se este ou aquele».
O pescador, em sua própria arte, é inteligente e atento. Parece muito fácil, atrevo-me a dizer, ser um pescador, mas vocês veriam que não é uma brincadeira de criança se tivessem que tomar parte real nisso. Há uma arte nisso, desde reparar de forma eficiente a rede, até trazê-la para a margem. Quão diligente é o pescador para evitar que os peixes saltem fora da rede! Ouvi um grande ruído uma noite no mar, como se algum tambor enorme fosse tocado por um gigante; fui e vi que os pescadores estavam batendo na água para conduzir os peixes à rede, ou para impedir que escapassem quando já tinham sido capturados.
Você e eu freqüentemente teremos que estar atentos aos extremos da rede do evangelho, para que os pecadores que quase estão pescados tentem escapar. São peixes muito ardilosos, e utilizam esta astúcia em seu esforço por evitar a salvação. Nós temos que estar sempre em nosso ofício, e exercitar todo o nosso engenho e mais que o nosso próprio engenho, se quisermos ser pescadores de homens bem sucedidos.
O pescador é uma pessoa muito laboriosa. Não é absolutamente uma chamada fácil. Ele não se senta em uma poltrona para pescar. Ele tem que sair em tempos ruins. Se aquele que considerar as nuvens não semeará, estou seguro de que aquele que considera as nuvens nunca pescará.
Se nunca fizermos algum trabalho para Cristo exceto quando nos sentimos repousados, não faremos muito. Se sentirmos que não oramos porque não podemos orar, nunca oraremos, e se dissermos: «Não pregarei hoje porque não creio que possa pregar», nunca faremos uma pregação que valha a pena. Devemos estar sempre nisso, até nos desgastar a nós mesmos, deixando toda a nossa alma na obra de todos os tempos, pela causa de Cristo.
O pescador é um homem ousado. Ele prova o mar revolto. Um pouco de salmoura em seu rosto não lhe fere; mesmo salpicado milhares de vezes, aquilo não é nada para ele. Quando se convertera em um pescador de mar profundo, nunca esperou dormir no regaço do fácil. Portanto, o verdadeiro servo de Cristo que pesca almas nunca tem como inconveniente um risco pequeno.
Ele estará obrigado a fazer ou a dizer a muitos alguma coisa que é muito impopular; e algumas pessoas cristãs inclusive podem catalogar as suas declarações como muito severas. Ele deve fazer e dizer aquilo que é para o bem das almas. Não se entretém inquirindo o que outros pensam de sua doutrina, ou dele; mas no nome do Deus Todo-Poderoso, ele deve sentir que: «Se rugir o mar e sua plenitude, ao mandado do meu Mestre lançarei a rede».
Agora, em último termo, o homem a quem Cristo faz um pescador de homens é bem-sucedido. «Mas», disse alguém, «eu sempre ouvi que os ministros de Cristo têm que ser fiéis, mas que eles não podem estar seguros de ter êxito». Sim, ouvi esse dito e de uma maneira sei que isso é certo, mas em outro sentido tenho minhas dúvidas a respeito disso. Aquele que é fiel é, no caminho e no juízo de Deus, mais ou menos bem-sucedido. Por exemplo, aqui há um irmão que diz que é fiel. É obvio, tenho que acreditar nele, mas nunca ouvi falar de um pecador que tenha sido salvo por ele. Sem dúvida, devo pensar que o lugar mais seguro para uma pessoa que não quer ser salva seria estar sob o ministério deste cavalheiro, porque ele não prega nada que provavelmente desperte, impressione ou convença a alguém. Este irmão é «fiel» porque ele o diz.
Pois bem, se alguma pessoa no mundo te diz: «Eu sou um pescador, mas nunca pesquei nada», você lhe perguntaria como ele poderia ser chamado de pescador. Um sitiante que alguma vez semeou e colheu trigo ou qualquer outro cultivo, é realmente um agricultor? Quando Jesus Cristo diz: «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens», quer dizer que vocês realmente deverão pescar homens, que realmente salvarão a alguns; porque aquele que nunca conseguiu nenhum peixe não é um pescador.
Aquele que nunca salvou a um pecador depois de anos de trabalho não é um ministro de Cristo. Se o resultado do seu trabalho de vida é zero, cometeu um engano ao empreendê-lo. Vocês vão com o fogo de Deus em sua mão e lancem-no entre o restolho e o restolho arderá. Estejam seguros disso. Vá você e espalhe a boa semente: nem todas cairão em lugares férteis, mas algumas delas sim. Pode estar seguro disso.
Apenas brilhem, e assim algum olho ou outro será iluminado. Vocês terão êxito. Mas recordem que esta é a palavra do Senhor: «Vinde após mim, e vos farei pescadores de homens». Permaneçam junto a Jesus e façam o que Jesus fez, em seu espírito, e ele vos fará pescadores de homens.
Talvez falo a um ouvinte atento que não se converteu totalmente. Amigo, tenho o mesmo que te dizer. Você também pode seguir a Cristo, e então ele poderá te utilizar, até mesmo a ti. Não sei, mas ele te trouxe para este lugar para que possas ser salvo, e mais tarde ele pode fazer que fale por seu nome e sua glória.
Recordem como ele chamou a Saulo de Tarso e o fez apóstolo dos gentios. Dos caçadores furtivos recuperados é que se fazem os melhores guardas-florestais; e os pecadores salvos se tornam os pregadores mais hábeis. Ah, se tu puderes escapar do teu velho amo agora, sem lhe dar um minuto de notificação; porque se lhe der algum aviso, ele te reterá! Corre para Jesus e lhe diga: «Aqui está um pobre escravo fugitivo! Meu Senhor, ainda levo os grilhões em meus pulsos. Podes me libertar e me fazer tua propriedade?». Lembra que está escrito: «aquele que vem a mim, não o lanço fora». Nunca um escravo fugitivo veio a Cristo no meio da noite sem ser acolhido por ele; e ele nunca devolveu a alguém ao seu velho amo. Se Jesus te fizer livre, serás verdadeiramente livre. Então corre para Jesus, neste instante. O seu bom Espírito te ajude, e ele cedo ou tarde fará de ti um ganhador de outros para o seu louvor! Deus te abençoe. Amém.